Passar para o conteúdo principal

No centro, à margem. Sociologia das intervenções urbanísticas e habitacionais do Estado no centro histórico do Porto

No centro, à margem. Sociologia das intervenções urbanísticas e habitacionais do Estado no centro histórico do Porto

Descrição

QUEIRÓS, João (2015). No centro, à margem. Sociologia das intervenções urbanísticas e habitacionais do Estado no centro histórico do Porto. Porto: Edições Afrontamento. ISBN 978-972-36-1450-3.

 

SINOPSE

No Centro, à Margem reproduz alguns dos principais resultados de uma pesquisa sociológica sobre a génese, estruturação e consequências sociais das intervenções urbanísticas e habitacionais promovidas pelo Estado no centro histórico do Porto ao longo dos últimos sessenta anos. Desenvolvida entre 2010 e 2014 no quadro de uma investigação de doutoramento financiada pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia, a pesquisa pretendia concretizar, através de um aturado trabalho de especificação empírica, algumas ambições analíticas fundamentais: restituir o quadro de transformações socioeconómicas que, a nível nacional e regional-local, precedem, tornam possível e acompanham as intervenções do Estado em matéria de alojamento destinado às classes populares; analisar a rede de relações funcionais e de poder que sustenta, ainda que provisória e contraditoriamente, as ações da burocracia estatal neste domínio; identificar as grandes linhas do movimento cultural em que se inserem as perspetivas técnicas, éticas e estéticas (sempre, em última análise, políticas) sobre planeamento urbanístico, renovação urbana e alojamento das classes populares que se foram impondo no período de mais de meio século privilegiado no trabalho; aprofundar o estudo das relações de sociabilidade, interconhecimento e entreajuda nos espaços sociais envolvidos, não sem registar as manifestações e efeitos de heterogeneidade social e as tensões anómicas que também os marcam; analisar a relação dos destinatários das políticas de habitação com o Estado, distinguindo o que nessa relação se aproxima ora da mobilização política sustentada, num extremo, ora da dissidência mais ou menos atomizada, noutro extremo, e considerando igualmente as gradações intermédias de envolvimento/afastamento das populações em relação às decisões políticas que lhes dizem respeito; denunciar a acumulação de efeitos sociais perversos (só em parte inintencionais) associados quer a medidas políticas avulsas, quer a formas continuadas de inconsistência institucional em que a sociedade portuguesa é fértil, quer ainda a hiatos de ação e a omissões mais ou menos deliberadas da administração pública central ou local.

Ano de Publicação
2015
Autores

Contactos

Faculdade de Letras da Universidade do Porto
Via Panorâmica, s/n
4150-564 Porto, Portugal

Telefone: +351 226 077 132
Email: isociologia@letras.up.pt

 

Outros Contactos

 

fct-logo

Ref.: UIDP/00727/2020

Ref.: UIDB/00727/2020

flup-logo